Biblioteca pública é inaugurada na Estação Ferroviária de Lobo Leite

A Estação Ferroviária de Lobo Leite sempre será marcada pelas idas e vindas de pessoas que utilizavam o trem para viajar. Agora, as viagens serão por meio dos livros, já que esse charmoso espaço passa a abrigar a Biblioteca Cônego Luiz Vieira da Silva, inaugurada na tarde desta quinta-feira, 14. O nome foi escolhido pela comunidade em trabalho desenvolvido com a escola municipal Amynthas Jacques de Moraes. Foram doados R$ 50 mil em livros e materiais didáticos, adquiridos pelo Governo Municipal por meio do edital de Criação de Bibliotecas Públicas Municipais do Estado de Minas Gerais, que contemplou apenas cinco cidades mineiras.

Estiveram presentes na cerimônia o prefeito Zelinho; a secretária municipal de Educação, Maria Aparecida Resende; diretora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais, Cleide Fernandes; o secretário adjunto de Educação, Thales Gonçalves; a diretora da Biblioteca Municipal Djalma, Cristiane Aparecida de Melo Souza; a diretora da E.M. Amynthas Jacques de Morais, Maria de Fátima Gonçalves Lobo; o vereador Edonias Clementino de Almeida; a bibliotecária Margarida Ferreira; secretários municipais de Governo, Lúcio Coimbra, de Obras, Rosemary Aparecida Benedito, e de Cultura, Míriam Palhares; e o secretário adjunto de Desenvolvimento e Assistência Social, Henrique Marani.

Alunos da escola municipal Amynthas Jacques de Moraes cantaram os hinos Nacional e de Congonhas, além de recitarem poemas. A solenidade também contou com a participação da Banda Sinfônica da Secretaria Municipal de Educação.

O prefeito Zelinho reforçou que o Governo Municipal tem investido e avançado nas áreas de educação, cultura, esporte e saúde. São 32 escolas, sendo que 23 funcionam em tempo integral. O chefe do Executivo parabenizou as crianças pela conquista e pontuou: “Toda escola hoje tem uma biblioteca. Temos leitura, esporte e lazer nas escolas. Era isso que pretendíamos. Queremos que vocês estudem e aproveitem bem os ensinamentos, as bibliotecas públicas. Que vocês estudem bastante, para que possamos ter bons profissionais no futuro”.

A secretária municipal de Educação, Maria Aparecida Resende, destacou o trabalho desenvolvido para que o Município  fosse contemplado pelo edital de Criação de Bibliotecas Públicas Municipais do Estado de Minas Gerais. “Apenas cinco cidades de Minas Gerais conseguiram os recursos para a implantar a biblioteca, entre elas, Congonhas. Aqui era uma Estação, onde as pessoas viajando em busca de sonhos. Com os livros fazemos a mesma coisa, porque por meio deles construímos ideais e viajamos”, completou.

Congonhas é uma das três cidades mineiras que possuem o Plano Municipal de Livro, Leitura e Bibliotecas, segundo a diretora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais, Cleide Fernandes. “Realmente é uma cidade sai sempre à frente. São apenas três cidades em Minas Gerais que têm esse plano. Reconhecemos que todos da administração pública estão preocupados em implementar suas ações”, disse. Ela também acrescentou: “Essa biblioteca só é possível porque alguém imaginou, fantasiou, foi atrás e transformou em realidade. Agradeço por terem pessoas que se preocupam com a cultura e a educação da comunidade, e por empreenderem esforços para tornar essa fantasia em realidade”.

Para a presidente da Associação Comunitária de Lobo Leite (ASCOM), Renata de Freitas, a biblioteca “Vai ser muito importante para as crianças e vai criar o hábito da leitura. É importante para a comunidade inteira. Agradeço ao Governo Municipal e a todos que ajudaram a implementar esse espaço em Lobo Leite”.

O nome da biblioteca é uma homenagem a Cônego Luiz Vieira da Silva, nascido no Arraia de Soledad, onde hoje se encontra Lobo Leite. Ao lado de Cláudio Manoel da Costa, Inácio Jose de Alvarenga e Tomas Antônio Gonzaga, ele apoiou Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, durante Inconfidência Mineira, que marcou a história de Minas Gerais.

Projeto

A Secretaria Estadual de Cultura elabora editais destinados às prefeituras que tenham interesse em criar bibliotecas públicas municipais. Devem ter prioridade os municípios que não possuem nenhuma biblioteca pública municipal. No entanto, as prefeituras que já têm este serviço podem participar com o objetivo de criar uma sucursal, preferencialmente em distritos ou na zona rural.

O apoio às propostas selecionadas consiste na entrega de um conjunto para criação de bibliotecas públicas municipais, no valor aproximado de R$ 50.399,60. Cada conjunto é composto por:  mínimo de mil itens entre livros, periódicos, CD’s, DVD’s, audiolivros, livros em Braille; três estantes dupla face; duas estantes expositoras; um carrinho para transporte de livros; e 40 bibliocantos.

Bibliotecas públicas

Congonhas conta com a Biblioteca Pública Municipal Djalma Andrade, duas Bibliotecas Comunitárias, nos bairros Vila Cardoso e Dom Oscar, e 32 bibliotecas escolares. Vale ressaltar que em todas as bibliotecas são realizadas atividades literárias de incentivo ao livro e à leitura.