Congonhas se antecipa ao resultado positivo de macaco para febre amarela e tem situação sob controle

A Secretaria Municipal de Saúde informa a população que ocorreu a morte de um macaco na região próxima a Cruz das Almas no dia 7 de novembro. Deste então, a equipe de saúde da família iniciou o rastreamento das pessoas não vacinadas e a intensificação da vacinação em um rádio de 1 quilômetro em torno do local da ocorrência. O Ministério da Saúde divulgou o resultado do exame nesta quarta-feira, 6 de dezembro. Imediatamente após a confirmação da positividade do caso para a febre amarela, o que gera a nova classificação epidemiológica de Congonhas como categoria 3 (que o mais alto risco para a transmissão da doença, por ter sido confirmada a circulação do vírus da febre amarela nas matas do Município), a Prefeitura, por intermédio da Secretaria de Saúde, começou a levantar a situação vacinal de todos os moradores de Congonhas e intensificar mais ainda a vacinação, principalmente na zona rural, onde os habitantes correm mais rico de contrair a doença.
Desde o início do ano, quando foi decretado o surto de febre amarela em outras regiões do estado, a Prefeitura mobilizou todas as equipes de saúde da família, para vacinação de toda a população. Somente em 2017, cerca de 14 mil doses da vacina foram aplicadas em Congonhas, aumentando a cobertura vacinal da cidade para aproximadamente 94%.
Por ter se antecipado ao cenário atual, Congonhas consegue atualmente ter esta situação sob controle.
A orientação da Secretaria de Saúde ao cidadão é para que ele procure as unidades básicas de saúde, portando o cartão de vacina, e faça a avaliação a fim de receber a vacina, caso seja necessário. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Programa Nacional de Imunizações, somente uma dose da vacina para a febre amarela durante a vida é suficiente para proteção contra esta doença. A única forma de impedir a contaminação pelo vírus é a vacina.