Escola do Alvorada e QG da Inovação criam ferramenta de inclusão digital que estimula o gosto pela literatura

Alcançar a inclusão social via inclusão digital é um dos principais objetivos da Política Municipal de Estímulo ao Empreendedorismo Digital, de Startups, de Empresas de Inovação e Tecnologia, instituída pela Lei 3.713 de 20 de novembro de 2017. E quanto mais cedo o indivíduo desperta para o novo mundo que se apresenta, mas chances tem de se sobressair. Pois foi durante um Meetup (encontro em que são apresentados problemas e apontadas soluções) sobre Educação, promovido pelo QG da Inovação, vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Tecnologia da Prefeitura, que a diretora,  Rosane de Lourdes Agostinho, e a professora de Literatura Carmélia Daniel dos Santos, da Escola Municipal Rosália Andrade da Glória, do Alvorada, perceberam que estava ali a grande oportunidade de oferecerem aos seus alunos a chance de absorverem conhecimentos sobre o mundo digital. A professora e a pedagoga, Deliane Fernandes Zebral, buscavam uma forma de conseguirem divulgar por meios digitais a produção literária, artística e outras atividades desenvolvidas naquela instituição de ensino, de forma que esta e a comunidade ao redor conseguissem um maior grau de interação. É desta parceria entre alunos e profissionais da escola e do QG, localizado no bairro do Rosário, que está surgindo a empresa Rosália Digital Corporation.

 

Instagram: rosaliadigitalcorporation

Facebook: Rosália Digital Corporation RDC

 

Tudo começou quando a professora Carmélia percebeu a dificuldade que os alunos têm com relação à leitura e junto com a pedagoga Deliane chegaram a conclusão de que uma maneira eficiente de se conseguir romper esta barreira seria levar a literatura para as redes sociais. Mas, apesar de o laboratório de informática da escola possuir 16 computadores formatados e internet de qualidade, muitos garotas e garotos não conheciam nem mesmo a disposição do teclado. Eles estavam acostumados somente com o teclado touch do celular. A exemplo destes, a diretora da Escola Municipal Rosália Andrade da Glória, Rosane de Lourdes Agostinho, reconheceu que ainda precisa aprender muito ainda sobre o uso adequado das ferramentas digitais, mas se mostrou bem atualizada enquanto gestora. Rosane de Lourdes Agostinho ouviu de sua equipe a necessidade de se resolver um problema e foi buscar parceria para encontrar a solução e, em seguida, propôs às responsáveis pelo projeto que conversassem com a equipe do QG.  “Percebemos que esta estratégia despertaria mais o interesse dos aluns. O QG da Inovação está nos ajudando a viabilizar este projeto, porque nós sozinhos não dominávamos as técnicas para desenvolver uma estratégia de comunicação digital”, diz a pedagoga.

Quatro dias após o primeiro encontro, foi realizado um workshop, quando todos juntos elaboraram uma metodologia de trabalho. Em seguida, houve um dia de cowork (trabalho compartilhado) no QG, em que uma equipe atuou na criação, edição e redação de texto; outra na concepção do conceito, pesquisa e comparação de conteúdo; e uma terceira com web design. A turminha de marketing desenvolveu a primeira postagem da empresa Rosália Digital Corporation, já com uma logomarca definida, para apresentar o projeto. Muitas habilidades afloraram. “Descobrimos um aluno que já possui um canal no Youtube. Eles aprenderam sobre design, tipos de postagem, como trabalhar com aplicativos para aperfeiçoamento de imagem, o modelo de trabalho em equipe. De acordo com o perfil de cada aluno, eles foram assumindo funções. No laboratório, os alunos aprenderam também algumas funções do computador, como criar e enviar um e-mail formal, o que é necessário no mundo corporativo. Também desenvolveram uma página de Facebook e o Instagram. Nossa intenção é que as redes sociais direcionem o internauta para um blog literário que será criado para estimular e fazer evoluir a produção e leitura de textos, entre outras tarefas. Estas atividades fazem despertar talentos e a necessidade de se trabalhar em equipe”, explica Deliane.

De acordo com Eduardo Marçal, diretor de Inovação, Tecnologia e Novos Negócios da Prefeitura de Congonhas, este será o projeto piloto de inclusão QG Escola Digital. Ele conta com participação de 32 alunos do 8º e 9º anos do Ensino Fundamental da escola do Alvorada. “O QG tem como foco o desenvolvimento de produtos específicos. Ao invés de realizar palestra sobre inclusão social, aconteceu uma atividade sobre estes assunto, com a mão na massa. A resposta deles foi extraordinária. Aqueles que poderiam ter apresentado alguma dificuldade, se levarmos em conta o desempenho escolar, foram os que mais se sobressaíram”, testemunhou.

Maicon Henrique Santos Rocha, do 9º Ano, tem atuado no projeto como pesquisador de conteúdo, até porque, segundo ele, gosta de ler bastante e é fã de livros de ficção, como “Teoria de Tudo”, de Stephen Hawking. “Estudar utilizando as novas ferramentas facilita. Se estou com dificuldade em alguma coisa, as redes sociais podem me auxiliar na ausência de alguém capaz do lado. O projeto que a gente está desenvolvendo junto com o QG pode ajudar a abrir portas de emprego pra cada um de nós ou nos capacitar pra abrirmos nossa própria empresa no futuro”, considera.

Maria Eduarda Barreto Costa, do 8º Ano, da equipe de desing prefere realçar a função de difusor de conteúdo que o projeto apresenta. “Criamos o Facebook, que facilita aos pais acompanhar nosso desenvolvimento aqui na escola e para que nós, alunos, possamos mostrar nossos projetos, textos, outras atividades, para dentro e fora da escola, que até então não utilizava novas tecnologias de comunicação. Criamos também o Instagram, que já é utilizado para todos os tipos de divulgação, e não mais para postagem somente de uma foto. Em breve, teremos também um blog para fazer circular textos. Com a ajuda dele, teremos acesso a diversos textos literários que poderemos acessar até pelo celular”.

Segundo Maria Eduarda, este projeto uniu mais os alunos. “Aprendemos a atuar de forma bem mais conjunta pra sair tudo certo. Eu não sabia usar o e-mail, eu tinha um somente para entrar nas redes sociais. Agora aprendemos sobre uma forma para cada objetivo da mensagem”.

A aluna não conhecia o QG da Inovação. “Pra mim, está sendo uma experiência muito boa. Acho que essa ideia da parceria deve ser disseminada para todas as escolas, para que alunos e equipe de trabalho adquiriam novas experiências, para além dos muros que delimitam a escola, e leve informações novas para o QG também. Eles nos disseram isso, que também estão aprendendo a desenvolver projetos de inclusão”, completou.

Outra aluna, Kenia Carolyne Gomes, do 9º Ano, da equipe de design do projeto, mora perto do QG da Inovação, e, em tom humorado, diz que nem assim sabia a que ele se destinava. “Eu ficava curiosa pra saber o que era aquilo lá, cheguei até a fazer foto no portão, porque achava bonito [risos]. Só entendi quando o pessoal veio aqui na escola. Agora é o contrário, muitos colegas perguntaram por que só alguns alunos estão participando desta experiência. E a gente explica que isso está só começando. Então isso despertou o interesse de todos”, garantiu.

Vanessa Pereira Silva, do 8º Ano, da equipe de design, aponta a parceria entre a Escola Municipal Rosália Andrade da Glória e o QG da Inovação como capaz de tornar o  processo de aprendizagem mais leve e eficaz. “Acho este projeto muito bom, porque ainda tem escola atualmente que está na idade da pedra, não tem muita coisa ligada à tecnologia. Ele está aproximando a gente dos professores e da escola. À tarde, podemos realizar pesquisas. O blog vai disponibilizar conteúdos para as aulas e estudos em casa. O Facebook vai dar visibilidade ao que fazemos aqui, até para o mundo. Desde quando iniciamos este projeto, já produzimos muitos textos, como um dedicado ao Jubileu, contato a importância dele para a cidade”, pontua.

Como é possível perceber, alunos e profissionais da escola já entendem o propósito da criação do QG da Inovação pela Prefeitura de Congonhas. O diretor de Inovação, Tecnologia e Novos Negócios da Prefeitura de Congonhas, Eduardo Marçal, afirma: “Já somos testemunhas do grande potencial que tem este convívio de estudantes do ensino médio com universidades e empresas. Nosso foco é o desenvolvimento de produto e habilidades. Estes primeiros alunos da escola do Alvorada serão multiplicadores desta ideia naquela escola e para os de outras. Estamos elaborando uma agenda intensa de desenvolvimento de programas para que todos os estudantes da Escola Municipal Rosália Andrade da Glória  tenham participado de alguma atividade no laboratório de informática até o final do ano. A Secretaria Municipal de Educação é uma de nossas grandes parceiras. Com este projeto piloto, esperamos que  mais  escolas se abram para o QG da Inovação. Ele está se caracterizando como um núcleo de geração de projetos de escrita de metodologias muito avançado. Esta é a avaliação feita pela FaSar, que possui diversos mestres, doutores e laboratórios”.

A pedagoga Deliane chegou a conclusão que os melhores resultados na escola são alcançados por meio da motivação dos alunos. “Levando em conta regras e limites, trabalhamos com coisas que eles conseguem fazer. Com isso, passaram a acreditar mais em si. Como resultado, já temos alunos aprovados na UFMG, IFMG, CET. Então fazemos questão de colocar faixas para homenageá-los. O que motiva aos que ainda estão conosco”, diz.

O projeto Rosália Digital Corporation já está se tornando um dos orgulhos da Escola Municipal Rosália Andrade da Glória, como são os prêmios de destaque na rede municipal de ensino e até no âmbito federal; o hino, composto pelos alunos do 4º Ano em homenagem aos 30 anos desta instituição de ensino completados em 2019; e um curso ministrado pelo professor José Ferreira Filho, no contraturno, para revisão de textos literários, que se encaixa perfeitamente neste projeto literário e de comunicação desenvolvido em parceria com o QG da Inovação.