Prefeitura dá ordem de serviço para restauração e requalificação do Cine Teatro Leon

A classe artística de Congonhas está em festa! Na manhã desta quinta-feira, 11, foi dada a Ordem de Serviço para a restauração e requalificação do Cine Teatro Leon, que se tornará um espaço multiuso, mais confortável, funcional e dotado de tecnologia atual. As características arquitetônicas da edificação serão preservadas, por ser um bem de grande valor para os congonhenses e se situar na área de ambiência histórica da cidade. A proposta é contribuir para o desenvolvimento cultural, social e econômico da cidade. Os trabalhos devem começar daqui a cinco dias úteis.

Assinaram o documento o prefeito Zelinho, o diretor-presidente da FUMCULT, Sérgio Rodrigo Reis, a secretária de Obras, Rosemary Aparecida Benedito, e o proprietário da Marsou Engenharia Eireli, empresa responsável pela obra, Vicente Solto Júnior. Além dos amantes da arte e da cultura, estiveram presentes, ainda, a secretária de Cultura, Míriam Palhares, o padre Paulo Barbosa, o Cônego Geraldo Leocádio, o padre João Ferreira, vereadores e servidores públicos municipais.

Para se despedir, temporariamente, desse espaço tão importante e dar boas-vindas aos novos tempos, artistas congonhenses subiram ao palco do Cine Teatro Leon. O Boca de Cena, do Instituto Profarte, apresentou uma cena da peça “As paredes escondem o que os olhos não querem ver”. Já o Dez Pras Oito fez uma intervenção, chamada “Contação de Causo: era uma vez um Cine Teatro Leon”.

O prefeito Zelinho relembrou que o teatro em Congonhas começou com os seminaristas e que, pela cidade, já passaram muitos artistas, como José Mayer. Também agradeceu ao Padre Paulo Barbosa pela parceria. A Prefeitura assinou um contrato por mais de 20 anos com a Paróquia N. Sra. da Conceição, responsável pelo Cine Teatro Leon, para captar os recursos pela Lei Rouanet. “Hoje é um momento de muita alegria porque Congonhas respira cultura. Não tínhamos espaço cultural para apresentações. Hoje é um dia de festa. Este 11 de abril ficará marcado para nosso Governo porque daremos início à restauração e requalificação desse espaço cultural, que é muito importante para a nossa cidade”, completou.

Há 30 anos trabalhando na área cultural de Congonhas, a secretária de Cultura Míriam Palhares dedicou o momento àqueles que passaram pelo palco do Cine Teatro ao longo desses anos e que ajudaram a construir a cena artística local. “A minha felicidade é porque na primeira reforma do Cine Teatro Leon, em 1996, eu estava presente. Agora, também estou. Tenho que agradecer muito à cidade de Congonhas, porque ela me deu e me dá muita alegria por estar à frente na área da cultura. Quero fazer uma homenagem à tia Vick e ao Wilson Ribeiro. A vocês, artistas, eu dedico esse momento fantástico. Em breve, esse cinema será espaço de toda a classe artística e cultural de Congonhas”, pontuou.

O Padre Paulo Barbosa observou que o povo congonhense, além de ser marcado pelo simbolismo religioso, também possui uma gama de valorização artística e cultural. “Estamos em uma casa de arte, de cultura, com múltiplas finalidades. Ficamos muito felizes pela oportunidade de estarmos aqui com vocês fazendo história. Ficamos agradecidos à Administração por ter dado continuidade à restauração. Esperamos que esses projetos sejam levados à frente sob a competência e o acompanhamento dos que aqui vão trabalhar para as finalidades que aqui se almejam. Peço a Deus que ilumine este dia, abençoe a todos, abençoe a cada um que aqui um dia se apresentará”, disse o pároco da Paróquia N. Sra. da Conceição, apontando, ainda, que vários padres passaram pelo Cine Teatro Leon, entre eles, Padre Leonardo, que deu nome ao espaço cultural.

Conquista

Uma das maiores reivindicações da população congonhense ao poder público será atendida. O BNDES aprovou o patrocínio da ordem de R$ 5.015.000,00, por meio da Lei Rouanet (Lei 8.313/91), permitindo à Prefeitura de Congonhas restaurar e requalificar o Cine Teatro Leon. O recurso foi captado pela Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (Fumcult), que é gestora daquele equipamento.

Aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), este projeto de requalificação e restauração obedece à nova legislação de acessibilidade urbana. Dele consta o piso mais elevado do que o atual, para que as pessoas da primeira fileira não tampem as que estiverem nas anteriores; espaço para cadeiras no estilo mezanino; sistema de climatização; sistema de isolamento acústico; camarins na parte inferior do prédio com elevador de acesso; outro elevador para subir cenários; sala de preparo para as apresentações; e banheiros públicos do lado de fora.

História

O primeiro cinema de Congonhas funcionou à praça Mário Rodrigues Pereira. Em substituição a este, surgiu o Cine Teatro Leon, idealizado pelo Padre João Leonardo Pluymackers e construído por iniciativa das obras sociais da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, tendo sido inaugurado em 1961.

Em meados da década de 1990, aquele edifício passou por um processo de restauração, mas desde então recebeu somente pequenas reformas pontuais.

A arquitetura do prédio parece ser influenciada pelo art‐déco (que utiliza formas aerodinâmicas, retilíneas, simétricas e ziguezagueantes) na fachada principal. O estilo clássico está na decoração interna, seguindo o padrão de cinemas do período, com ornamentações estilizadas em gesso nas luminárias, no palco e nos forros. A alvenaria era de tijolos e concreto, e as esquadrias basculantes de metal e vidro. Os pisos eram de tacos de madeira. Os equipamentos foram adquiridos de segunda mão no Rio de Janeiro.

O Cine Teatro Leon pertence à Arquidiocese de Mariana e vinha sendo alugado pela Prefeitura de Congonhas. Graças a esta parceria que envolve o Município, Arquidiocese de Mariana e BNDES, haverá uma carência no pagamento do aluguel, para amortizar o valor investido no imóvel.